Selecione uma localidade

Medo do Mar - Uma história quase infantil


 

Medo do Mar – Uma história quase Infantil

Havia um garoto que gostava muito de água, mas tinha medo de se afogar. Adorava lagos, rios e represas, porém algo o impedia de aproveitá-los como gostaria. Desde criança ele tinha um sonho em que caia de um barco e afundava. Prendia a respiração e se debatia até voltar à tona quase sem fôlego. Acordava ofegante, suado e apavorado. Esse garoto, nascido e criado no interior, só conheceu o mar depois dos 18 anos de idade em companhia de sua namorada. Ficou deslumbrado!

 - Que coisa linda!!! Como pode meu Deus... tanta água! E que cor!!! Não sei se é verde, azul... não... essa cor não pode ter nome, não pode ser descrita com palavras. Sempre haviam lhe dito que a cor do mar ia do verde ao azul escuro, passando por quase todos os tons dessas duas cores, mas isso estava longe de descrever toda aquela beleza. Como são pobres as palavras, pensou!

Apesar de maravilhado, aquelas águas e ondas trovejantes pareciam querer tragá-lo, levá-lo para seu seio, enquanto sua namorada se divertia muito com isso sem entender muito bem o motivo de tanto receio. A lembranças de seus sonhos prestes a se afogar aumentava o seu temor. Mas apesar do medo, e incentivado por sua companheira ele não resiste àquela maravilha e entra no mar... apenas na parte mais rasa e por mais que ela insistisse ele não passa da agua pela cintura.

 - Que delícia... e como é salgado!!! Mas essas ondas... meu Deus!

 - E ele não consegue ficar por muito tempo dentro da agua...

Depois desse dia os sonhos que sempre o atormentaram se intensificaram. Cada vez mais constantes e, cada noite, para seu desespero e agonia, era mais profundo o local onde caia. Acordava cada vez mais sufocado, até que um dia, o local onde caiu era tão profundo que, não conseguindo mais chegar à tona, expirou todo o ar dos pulmões e sem mais conseguir controlar... inspirou. Então uma mágica... um milagre acontece. Ele percebe que consegue respirar debaixo d'água!

 - Meu Deus que maravilha!!! Como é que pode??? Não me afoguei! Estou respirando debaixo d’água!!! Incrível, isso é fantástico!!!

Ao invés de voltar para a superfície, resolveu então, nadar mais fundo...

 - Mas o que é isso!!! Olha a cor desses corais, essas algas o colorido desses peixes! O mar consegue ser tão ou mais bonito por dentro que por fora, que paraíso!!!

Após passear no fundo do mar durante horas, conversar com arraias, peixes, polvos e um simpático tubarão, o rapaz, já cansado, acompanhado por um golfinho, nadou até a praia e adormeceu na areia macia e aquecida pelo sol que acabara de se por. Ali, embalado pelas suaves ondas dormiu o sono mais tranquilo que jamais tivera em toda sua vida. Quando acordou estava em sua cama. Sentindo que algo muito importante em sua vida havia mudado para sempre, exclamou emocionado:

 - Obrigado Deus, não tenho mais medo!

A partir de então os pesadelos se transformaram em lindos sonhos. Ele já não caia mais do barco e sim saltava para seus passeios no fundo do mar. Chegava a dormir mais cedo para ter mais tempo para sonhar. Entretanto, os sonhos que cada vez se tornavam mais intensos, foram diminuindo de frequência. O que era quase diário começou a ficar escasso. Passavam-se agora dias, às vezes semanas sem ter aqueles lindos sonhos. Foram escasseando, escasseando, escasseando, até desaparecerem por completo e... tornarem-se realidade!

Francisco A. de Góis –  Design Enginneer, Velejador,  Capitão Amador e diretor na https://www.daggermarine.com.br/

183_photo_2816.jpg

Crônica